Quando você cuida do corpo a mente agradece.

Mulheres são bombardeadas de exigências quanto ao corpo e a aparência. Diariamente surgem novas dietas da moda, novas roupas da moda, novas makes da moda. E nós, muchachas, nos esforçamos cada vez mais para nos enquadrar em todas as exigências.

A questão é: nem sempre temos sucesso. Na verdade, quase nunca temos sucesso. Na nossa cabeça e na visão da sociedade sempre falta algum detalhe. Sempre tem ainda uma gordurinha, uma estria, uma espinha que teimou em nascer na ponta do nariz (Sim, eu tenho 30 anos e as espinhas estão aqui firmes e fortes! Quem se livrou delas, por favor, aguardo dicas).

Acabamos frustradas e, às vezes, criticadas.

Infelizmente não há nada que possamos fazer para, imediatamente, mudar o olhar da sociedade sobre nós. Esse caminho estamos galgando despacito poquito a poquito.

Mas podemos deixar nosso olhar sobre nós mesmas mais leve, mais amoroso, mais ~quero casar com a mulher que eu vejo espelho~.

A forma mais fácil de nos enxergar com bons olhos é cultivando uma boa autoestima. A chave pra isso é uma boa saúde mental. Se sua mente não estiver bem seu corpo vai sofrer, e vice-versa. Percebe o círculo vicioso que se cria?

Quando não nos alimentamos bem e não praticamos atividades físicas a tendência é nos sentirmos ansiosas, com problemas para dormir, para se concentrar, ter sensações de baixo astral, baixa vitalidade e depressão.

Por consequência, quando esses sintomas surgem, tendemos a desregular nossa alimentação e baixar a quantidade e qualidade das atividades físicas, chegando a abandoná-las de vez.

E “what goes around comes back around.” Amém, Beyoncé?

bey

Por isso, trago aqui algumas dicas para manter sua saúde mental no topo e, de quebra, tornar seu corpo mais saudável (ou vice versa).

A relação das atividades físicas com a saúde mental

Felicidade e disposição

A principal relação da atividade física com a saúde mental é a “felicidade” e disposição causada pela liberação de hormônios (substancias bioquímicas que atuam dentro das células) e neurotransmissores (substancias bioquímicas que atuam nos neurônios).

  • Ocitocina – “Hormônio do amor”. Além de funções no parto e pós parto, como contrações uterinas, controle de sangramento pós parto e descida do leite, a ocitocina também causa facilidade nas relações sociais e na empatia e controla a o medo do desconhecido.
  • Hormônios Tireoestimulantes – Fazem a glândula tireoide funcionar corretamente, evitando o hipotireoidismo, que, entre outros sintomas, causa extremo cansaço.
  • Adrenalina e Noradrenalina – Basicamente te fazem sentir poderosa e capaz de qualquer coisa.
  • Dopamina – Efeito tranquilizante e analgésico. Ajuda a prevenir e controlar os sintomas da depressão.
  • Serotonina – Te mantem bem humorada. Sempre mais fácil resolver qualquer pepino com bom humor.

Diversão e interação social

Quando pensamos em exercício físico logo imaginamos a academia lotada com gente suada e malhada, querendo revezar equipamento; local intimidador principalmente para quem está começando!

A academia é sim uma ótima forma de se exercitar e de interagir com outras pessoas, mas não é a única!

O que indico pra você que abomina academia (bem-vinda ao clube :D) é que busque uma atividade que faz você se divertir enquanto se movimenta.

Eu adoro jogar vôlei com meus filhos, caminhar, nadar… Esses são só alguns exemplos. Tem gente que se encontra na corrida, na bike, no pole dance. Existem também alguns aplicativos que te ajudam a se exercitar em casa. Vou fazer um post sobre eles mais pra frente.

Sair de casa estimula a sua mente.

Ficar em casa assistindo Netflix é maravilhoso! Mas dificilmente vai estimular sua mente a pensar e a fazer coisas diferentes.

netflix sereia.gif

Sair de casa e visitar um parque, correr na praia, ouvir sons de pássaros, brincar com um cachorro, entrar na piscina de bolinha ou pular na cama elástica com seus filhos; tudo isso envia diferentes mensagens e diferentes estímulos ao seu cérebro. Te incentiva a pensar em coisas diferentes do que já é costume e a ter novas ideias.

Alimentação e saúde mental

Associa-se frequentemente o déficit de algumas vitaminas e minerais aos quadros depressivos. Portanto, pegar leve no fast food e fazer refeições balanceadas é importante pra saúde do corpo e da mente.

O consumo de carboidratos de alto índice glicemico também já foi relacionado à depressão, o que faz a gente cogitar a possibilidade de abandonar o famigerado e amado pão francês, o macarrão de domingo e a lasanha na casa da sogra. Talvez apenas visitá-los em ocasiões especiais.

Diferente do que acontece com o abençoado triptofano, um aminoácido encontrado principalmente em aves e frutos do mar.

Esse bonitinho é a base para a produção de serotonina e o baixo consumo pode levar a depressão e ansiedade por falta desse neurotransmissor. Inclusive o consumo de triptofano pode ajudar a intensificar o tratamento medicamentoso de quem já tem depressão sem a necessidade de aumento da dose.

Confort food

Quem nunca procurou “comida conforto”, ou ‘alimentação emocional”, nos momentos de baixo astral?  Aquele cupcake fofinho, aquela pizza quentinha, um pratão de miojo…

confort food

E quem nunca se sentiu culpada depois?

culpa.gif

Pois é. Instintivamente sabemos que as “confort foods”, geralmente guloseimas cheias de açúcar refinado, farinha branca e gorduras, não vão nos deixar felizes para sempre. Pelo contrário, a sensação de bem estar imediato é substituída em minutos por estufamento e cansaço. Essa alimentação também está relacionada a quadros de depressão e ansiedade, além de transtornos alimentares como bulimia.

Mas é muito difícil mudar tudo assim de repente!

Nem me fala, amiga! Eu estou na luta juntinho com você!

A dica é mudar conforme seu organismo aceita. Um passo por vez. Um dia por vez. No seu tempo.

Estabelecer uma rede de apoio também é importante, porque mudar de hábitos tendo em volta pessoas que só te questionam e não te estimulam é muito mais difícil.

Cerque-se de boas energias e tudo fica mais fácil! Se precisar de um ombro amigo grita aqui nos comentários!

Nunca é demais lembrar

Nada que eu disse aqui substitui um diagnóstico médico e nutricional. Se você tem sintomas estranhos como muito cansaço, muita irritação, alterações do sono e do apetite, alterações no estômago e intestino, enfim, qualquer coisa que saia do normal, procure um médico! Cuide de você!


Se gostou desse post pode curtir e compartilhar à vontade!

Me conta nos comentários o que você está fazendo para conseguir se amar mais ou se sentiu falta de alguma informação. Quanto mais dica melhor!

Beijinho na testa, até a próxima!